“Não sei se eu tava bêbado ou drogado. Alguma coisa assim”, ironiza vereador

Na primeira votação do projeto que aumenta o número de vereadores, Gilberto Montibeller e Éder Vargas, ambos do PMDB, votaram favoráveis. A posição dos parlamentarem, no entanto, não durou mais que uma semana. Na votação dessa segunda-feira (28), foram contrários a proposta. Apesar disso, o texto da lei foi aprovado pela maioria e vale já para eleição de 2016.

Gilberto Montibeller, vereador pelo PMDB.

Gilberto Montibeller, vereador pelo PMDB.

Durante o discurso na tribuna da Câmara de Vereadores, Montibeller afirmou que já havia se mostrado favorável ao aumento do número de cadeiras no Legislativo em entrevistas a imprensa. Mas, que após ter rejeitada ideia de redução salarial, não concordaria com a proposta. “Na hora que eu votei não sei se eu tava bêbado ou drogado. Alguma coisa assim. Eu votei a favor desse projeto… E hoje… Eu acho que eu tava doido. Drogado como alguém falou aí. Eu uso droga”, ironizou o vereador durante seu discurso. Ele disse que na noite da primeira votação, chegou a conclusão que estava se contradizendo. Montibeller afirmou que votaria favorável ao aumento do número de vereadores caso tivesse sido aprovada a redução salarial, mas a justificativa não se sustenta. A redução salarial proposta por Gilberto, só teria validade para os últimos meses de 2015 e até dezembro de 2016. Em 2017 os salários voltariam ao mesmo patamar dos atuais. Já o projeto de aumenta o número de cadeiras na Câmara, vigora a partir de janeiro de 2017, portanto os novos vereadores não seriam afetados pela redução do emedebista.