Academia Batistense de Letras terá novos imortais

Quatro novos imortais e uma responsabilidade: preservar e divulgar a produção cultural e literária de São João Batista. Ingrid Mello Stofelli Novaes, Melania Martha Nicolazzi, Fábio Mendes de Jesus e Mira Saide da Silva vão ser empossados na Academia Batistense de Letras no dia 19 de julho em sessão solene na Câmara de Vereadores de São João Batista. A Academia Batistense de Letras é composta por 40 Cadeiras preenchidas por sócios efetivos. Ocupam cadeiras na Academia, Willian Duarte da Silva, Darci De Brito Maurici, Celso Leal da Veiga, Zilto Villanova, Maria Maria Círia Aragão Zunino, Ademar Campos, Maria Irene Pereira Braitbach, Dorothy De Brito Steil, Maria Delurdes L. Silva, Ilse Maria Paulino Gomes, Marcia Márcia Reis Bittencourt, Maria do Carmen Tridapalli Facchini, Salétte Cipriani Amorim, Raquel Mazera Poffo, Maria B. Dalsasso Côrte, Edmond Duarte Nader, Hercolis Marcos, Leopoldo Barentin, Esther Cristina Rodrigues, Djalma Benjamim Duarte, Maria Helena Machado Machado, Padre Flávio Feller, Cesar Raitz, Amanda Ághata Costa. Instituição batistense foi responsável pela criação de um importante projeto de incentivo a leitura na cidade. A Geloteca, uma geladeira cheia de livros para crianças, adolescentes e adultos, foi disponibilizada a comunidade.  A professora Raquel Mazera Poffo, que é secretária da entidade, foi quem idealizou o projeto. Raquel explica que a academia atua há dois anos na área de fomento à produção literária e relata que a ideia do projeto surgiu com a confrontação de pesquisas que mostram que 44% da população brasileira não lê e 30% nunca comprou um livro. Também já ocuparam cadeiras na instituição, Simeão Laércio Ramos e o Padre Edegar de Oliveira, ambos in memorian.