Ano terá mudanças no secretariado e foco em infraestrutura

A implosão do governo de Daniel Cândido (PSD), com a demissão de todos os secretários e servidores de confiança, indica os desafios da Administração Municipal para 2019. Além de retomar o controle da estrutura, o prefeito também terá como objeto prioritário mapear os novos caminhos dos recursos na gestão de Bolsonaro e Moisés.

Qual será o formato da segunda parte do mandato, mantem-se em suspenso. É sabido que novos nomes e os que serão mantidos, deverão ter afinidade clara com o chefe do Executivo. Nos bastidores já surgem rumores que a Educação, por exemplo, poderá ficar com Edesio Tomasi, que até aqui respondia pela Educação de Jovens e Adultos.

Cândido deve estar batendo cabeça formatação de como será seus dois últimos anos de Governo. É difícil manter o entusiasmo da equipe em dois mandatos consecutivos, muitos acabam se acomodando. A reorganização deverá trazer frescor para a gestão. É positivo, a depender da intensidade.

Para São João Batista 2019 já inicia com projetos encaminhados e anunciados pelo prefeito. Desafio será evitar que a mudança na estrutura do Governo Federal e de Santa Catarina dificulte a liberação de dinheiro e aprovação dos projetos.

Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), finalização da reforma do Hospital Monsenhor José Locks, o asfaltamento da rua Vicente Marcos Silva, na Tajuba II, que liga a sede do município à rodovia SC-108 e a Major Gercino, e, também, de trecho da rua Otaviano Dadam e da Avenida Egídio Manoel Cordeiro, onde estão situadas estruturas de grande interesse público, como o Fórum, a Rodoviária, o Centro de Eventos, o Senai, o Sincasjb e o Sesc, estão no forno.

Em sete de janeiro todas as atenções se voltarão para o Paço Municipal com a reforma do secretariado e definições das obras anunciadas para o primeiro semestre. Deve ser também o período que vai fixar com mais força o jeito pessoal de governar de Daniel Cândido.