Título a Lula é ‘cuspir’ nos catarinenses

Entrega de título de Cidadão Catarinense ao ex-presidente condenado, Luiz Inácio Lula da Silva do PT, é zombar das instituições, respaldar a corrupção e permitir um mau exemplo as crianças. Condenado em segunda instância, e com dezenas de outros processos em andamento, Lula é a cara mais visível da bandidagem que tomou de assalto o poder no Brasil. Dita o bom senso que o título deveria ser cancelado, sob risco de enviar a mensagem  que “pode roubar, está tudo bem”.

Arte que circula nas redes sociais contra a entrega de titulo a Lula.

Sob escrutínio não estão obras e projetos do petista, e sim o fato de condenado. É equívoco da imprensa, por exemplo, tratar Lula como candidato a presidência. Ele não é. Ao menos pelas regras do jogo que estão em vigor. Condenado em segunda instância pela Justiça Federal, está impedido de disputar pela Lei da Ficha Limpa. Esse simples fato já serve como argumento para impedir a homenagem em Santa Catarina.

Lógica simples. Se o condenado Lula recebe como punição uma honraria, pode-se colar na prova da escola. Furar fila. Não devolver aquele troco que foi entregue a mais. Aproveitar o contato de alguém que pode agilizar a burocracia para conseguir algo. Dirigir sem carteira. Dirigir depois de consumir bebida alcoólica. Sonegar impostos. Tentar sair do País com dinheiro não declarado. Roubar dinheiro público ou se aproveitar da máquina pública em benefício próprio. Qualquer um desses atos, ou qualquer outro “jeitinho brasileiro”. Cada um a seu nível, mas o objetivo final é o mesmo: conseguir algo em benefício próprio de maneira ilícita ou fora das regras de conduta prejudicando outras pessoas em curto, médio ou longo prazo.

Se aquele que deveria dar o bom exemplo acaba sendo mau exemplo, isso vai contagiar a sociedade, principalmente, uma sociedade que não foi educada para exercer a cidadania.  Mesmo tendo sido aprovado em 2008, titulo de Lula entregue agora, é uma validação do mal. É dizer que o mal é o normal e, portanto, natural na convivência social. A notícia da entrega do título de cidadão catarinense a Lula, provocou a revolta de entidades empresarias. Faesc, Facisc, Fampesc, FCDL, Fecomércio, Fiesc e Fetrancesc, em nota conjunta, defendem que a Alesc suspenda o ato de entrega e revogue concessão. Em Florianópolis, nota assinada por 12 entidades empresariais considera a homenagem um “desrespeito com os catarinenses”. O motivo da revolta é prestar a homenagem a um condenado pela Justiça 10 anos depois do projeto aprovado.

No ano passado, a Alesc cassou a concessão da Medalha Anita Garibaldi ao ex-ministro Geddel Vieira Lima, hoje preso por corrupção. Deveria ser o mesmo destino do título de Lula. E se a corrupção é cultural no país, sensação é de que as instituições querem manter o status quo. Sob qualquer ótica é inadmissível: Lula é condenado, processado por outros casos de corrupção, está inelegível. E mesmo que a imprensa insista no tema: não é candidato por estar enquadrado na Ficha Limpa. Se queremos, de fato, mudar a cultura de que pode roubar e está tudo bem, não há de se admitir que corruptos usem o aparelho do Estado para propagar que pode sim e está tudo bem. Titulo a Lula é cuspe na população catarinense e brasileira.