Agredida por professora, diretora é afastada de escola

É no mínimo constrangedora a decisão tomada por uma comissão da Prefeitura de Major Gercino, em afastar por 30 dias a diretora de uma escola que foi vítima de agressão dentro de uma unidade de ensino. A diretora da Escola Monsenhor José Locks, Adriana Heiderscheidt dos Santos foi agredida por uma professora, que não aceitou o desconto no salário após faltar o serviço.

Afastamento tem sinais de ingerência política da Administração do prefeito Valmor Kammers, o Valmor do Pita, já que a Secretaria de Educação foi informada posteriormente da decisão. Agressora teria alegado que prefeito dava anuência para as faltas, e que poderia ficar sem comparecer ao posto de trabalho o tempo que quisesse.

Um Boletim de Ocorrência foi registrado na Delegacia de Polícia. Giani Germano Camers teria ficado descontrolada e sem aceitar as justificativas, agrediu a diretora verbalmente e em seguida desferiu tapas contra ela.

Testemunha relatou que tentou separar a agressora, momento em que Adriana conseguiu sair da sala e foi até à delegacia. Após a confusão a professora conseguiu atestado de saúde e se licenciou.

Adriana é esposa do vereador Rodrigo dos Santos (PP). Assunto foi tema de discurso na sessão da Câmara desta segunda (19). Um processo Administrativo foi aberto para apurar o caso e na manhã desta segunda-feira, a diretora foi notificada do afastado do cargo por 30 dias.

Uma reunião da Associação de Pais e Professores está sendo convocada para o dia 22 de agosto. De acordo com a convocação, os pais querem esclarecimentos sobre a ocorrência nas dependências da unidade de ensino.

Com decisão, prefeitura divide culpa da agressora com a vítima. Inaceitável!